O budismo e a flor de lótus

Dentro da filosofia budista existe a enriquecedora arte de fazer arranjos florais, chamada Ikebana.

Na verdade, a beleza está na simplicidade. Aqui os arranjos encontram-se cheios de sabedoria, pois, através dele, o discípulo consegue conectar o seu coração ao coração da planta. Isso vale muito mais do que grandiosos arranjos, desprovidos de conexão e devoção.

No budismo aprende-se que todos os seres vivos merecem respeito seja ele uma planta, um animal ou um ser humano.

O budismo e a flor de lótus

Todos são igualmente importantes para compor o “Todo”. Na arte da Ikebana, — ike significa “dar vida” e bana significa “flor” — o discípulo aprende a olhar para dentro, ser humilde e conectar-se com o cosmos e a terra a partir de sua prática.

As flores são um tema importante na religião, e o lótus é um dos tipos mais importantes. Existem numerosas referências a flores espalhadas de vários tipos e há algumas que são relacionadas a bons presságios, em muitos textos budistas.

A flor de  lótus é um dos símbolos perenes do budismo. A flor de lótus tem muitos significados, um deles sendo é que ela representa o homem: cabeça erguida no sol, enraizado pelos pés na terra e boiando na, ou acima, da superfície da água jarras de flores.

O budismo e a flor de lótus

A flor também é um símbolo de conhecimento, emergindo da sujeira e corrupção. Elas também representam a beleza, o que faz delas imagens ideais para meditação e práticas religiosas.

Os Budistas em meditação são representados sentados sobre flores de lótus, e a expansão da visão espiritual na meditação (dhyana) está simbolizada pelas flores de lótus completamente abertas, cujos centros e pétalas suportam imagens, atributos ou mantras de vários Budistas e Boddhisattvas, de acordo com sua posição relativa e relação mútua.

Olhada com respeito e veneração pelos povos orientais, ela é frequentemente associada a Buda, por representar a pureza emergindo imaculada de águas lodosas. No Japão, por exemplo, esta flor é tão admirada que, quando chega a primavera, o povo costuma ir aos lagos para ver o botão se transformando em flor, compre arranjos de flores naturais.

A lenda budista relata que quando Siddhartha, que mais tarde se tornaria o Buda, tocou o solo e fez os seus primeiros sete passos, sete flores de lótus cresceram.
Assim, cada passo do Bodhisattva é um acto de expansão espiritual.

O budismo e a flor de lótus
Vote neste artigo

Comentar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *